quinta-feira, 22 de junho de 2017

Altemar Dutra - A Volta Do Seresteiro - Vol.01

01. Eu Nunca Mais Vou Te Esquecer
02. Foi Deus Quem Fez Você
03. Gente Humilde
04. Hino Ao Amor (Hymne A Lamour)
05. Jura-Me (Jurame)
06. Laura
07. Modinha
08. Outra Vez
09. Que Queres Tu De Mim
10. Sim (She)
12. Quem Há De Dizer
13. A Pretendida
14. Estão Voltando As Flores / Bandeira Branca

BIOGRAFIA
Altemar Dutra de Oliveira
6/10/1940 Aimorés, MG 
9/11/1983 Nova York, EUA 

É considerado um dos maiores fenômenos da música romântica brasileira. Chegou no Rio de Janeiro (RJ) em 1957, trazendo uma carta de apresentação para o compositor Jair Amorim, que, percebendo o seu potencial, o apresentou a vários amigos do meio artístico. Começou então a se apresentar na boate Baccarat, porém, como ainda era menor de idade, teve que várias vezes se esconder do Juizado de Menores. A convite de Helena de Lima, que o ouvira cantar na Baccarat, passou a se apresentar, entre 1960 e 1965, na boate O Cangaceiro, uma das mais famosas da cidade. Nela fez amizade com várias pessoas do meio artístico, principalmente com os membros do Trio Iraquitã. Foi, inclusive, Joãozinho, membro do trio, que o levou para a Odeon em 1963. Lançou com sucesso o seu primeiro disco no mesmo ano, no qual se destacou o bolero "Tudo de mim", de Evaldo Gouveia e Jair Amorim. A partir daí, o cantor se tornou o intérprete ideal da dupla que sempre o requisitava para cantar suas composições, entre as quais "Que queres tu de mim?", "O trovador" e "Somos iguais", todas com sucesso. Em 1964 gravou com sucesso "Que queres tu de mim" e "Serenata da chuva". 

Altamiro Carrilho - Coletânea

01. Bem Te Vi Atrevido
02. Brejeiro
03. Pedacinho Do Céu (Com Canhoto)
04. Tico-Tico No Fubá (Com Canhoto)
05. Carinhoso
06. Chão De Estrelas
07. Desencanto (Com Carlos Poyares)
08. Displicente
09. Espelho D'Alma (Com Ulisses Rocha)
10. Espinha De Bacalhau
11. História De Um Amor
12. Lamentos (Com Canhoto)
13. Lamentos (Pixinguinha)
14. Malandrinho (Live)
15. Minueto Do Divertimento
16. Pedacinho Do Céu
17. Polca Brasileira
18. Pour Elise (Beethoven Em Chorinho)
19. Praga De Sogra
20. Pula Sapo
21. Quem É Bom Já Nasce Feito
22. Quinta Sinfonia De Beethoven
23. Seba (Gilson Peranzzetta & Mauricio Einhorn)
24. Tributo À Pixinguinha
25. Um A Zero (Com Carlos Malta)
26. Urubu Malandro (Com Abel Ferreira & Raul De Barros)
27. Urubu-Rei

Altamiro Carrilho (Professor, instrumentista e compositor)
Altamiro Aquino Carrilho
*21/12/1924 Santo Antônio de Pádua, RJ
+15/8/2012 15/8/2012 

BIOGRAFIA
Altamiro Aquino Carrilho nasceu na cidade de Santo Antonio de Pádua (RJ), em 21 de dezembro de 1924. Por influência da família de sua mãe, aos cinco anos de idade brincava com uma flauta de bambu, feita por ele. Aos onze anos, já integrava a Banda Lira Árion, tocando tarol.

1940 mudou-se com a família para Niterói (RJ), onde trabalhava como farmacêutico e à noite estudava música com o amigo e incentivador Joaquim Fernandes, flautista amador.

Altamiro não perdia nenhum programa dos grandes flautistas da época, Dante Santoro e Benedito Lacerda. Com uma flauta de segunda mão, inscreveu-se no programa de calouros de Ari Barroso, conquistando o primeiro lugar. Ainda muito moço, pela sua incrível facilidade de improvisar, com seu estilo muito pessoal e cheio de bossa, foi convidado a integrar conjuntos famosos como os de César Moreno, Canhoto e Rogério Guimarães.

Alcides Gerardi - Innamorata (1957)

Alcides Gerardi - Innamorata [1957]
01 Innamorata (Jack Brooks/Harry Warren vrs. Alberto Ribeiro)
02 Tudo Foi Ilusão (Laert Santos)
03 Para Que Recordar (Fernando Cesar/Carlos Cesar)
04 Quero Ver-te Uma Vez Mais (Mario Canaro/vrs Jair Amorim)
05 Mulher Banal (Miguel Miranda/Francisco Babli)
06 Cruel Realidade (Américo Seixas/Alberto Jesus)
07 Eh!Vento (Nilva Teixeira/Nazareno de Brito)
08 A Chuva Cai (Irany de Oliveira).

Alcides Gerardi
João Alcides Gerardi
*15/5/1918 Rio Grande, RS
+3/1/1978 Rio de Janeiro, RJ

BIOGRAFIA
Iniciou sua carreira de cantor como crooner numa orquestra de dancing. Transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde se candidatou como calouro num programa da Rádio Nacional, não tendo sido contratado. Em 1939, atuou como vocalista do conjunto Namorados ao Luar, começando a destacar-se como cantor. Dois anos mais tarde integrou o trio Os Três Marrecos, onde atuou ao lado de Marília Batista e seu irmão Henrique, por um curto espaço de tempo. Em 1944, atuando como crooner da orquestra de Simon Bountman, foi convidado a atuar na Rádio Transmissora. Sua primeira gravação profissional foi realizada na Odeon em 1945, com acompanhamento de George Brass no acordeom interpretando a valsa "Lourdes", de George Brass e Mário Rossi. No mesmo ano, gravou com acompanhamento de Antenógenes Silva as valsas "Sueli" e "Cada vez te quero mais", a marcha "Alegria" e o samba "Meu defeito", todas de Antenógenes Silva e Miguel Lima. Em 1946, gravou os sambas "Perdoa", de Valdemar de Abreu, e "Dedo na luva", de Humberto de Carvalho e Afonso Teixeira.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Albert Pavão - Antologia

01 - Vigésimo andar (20º Flight Rock) (1963)
02 - Biquininho (1964)
03 - Move It (1962)
04 - Remember Baby (1962)
05 - Lobo mau e os três porquinhos (1965)
06 - All Shoop Up (1962)
07 - Sobre um rio tão calmo (Up a Lazy River) (1963)
08 - I Hate Lies (1962)
09 - Vamos mudar (We're Gonna move) (1962)
10 - Peggy Sue (1962)
11 - Japanese Doll (1964)
12 - A estrada é longa (Rocky Road Blues) (1963)
13 - Garota quadrada (1964)
14 - Meu brôto só pensa em estudar (1964)
15 - A casa da Ení (Heartbreak Hotel) (1963)
16 - Mulher de cabeça dura (Hard Headed Woman) (1964)
17 - Cleópatra, meu amor (1965)
18 - O homem de Virginia (1965)
19 - A garôta do meu melhor amigo (1964)
20 - Piqued Head (Cabeça inchada) (1966)
21 - A batalha de Waterloo (1966)
22 - Filhinho do papai (1967)
23 - The River Of Jerere (De papo pro ar)
24 - My Baby (1966)
25 - O príncipe escamado (1975)
26 - Paraiso de amor (1991)
27 - Saudades do Guarujá (1991)
28 - Maldita goteira (1991).


BIOGRAFIA
Albert Pavão nasceu em São Paulo/SP. Um dos pioneiros do rock brasileiro, o paulista Albert, depois Albert Pavão, irmão de Meire Pavão e filho do maestro Teotônio Pavão, gravou seu primeiro 78rpm "Tu e Eu" (You and I)/'Move It', em 1962, com acompanhamento do grupo instrumental The Hits. O compacto assinalou a participação de grupos musicais jovens no acompanhamento, até então feito por orquestras e músicos de estúdio. É dele a clássica versão de 'Vigésimo Andar (Twenty Flyght Rock, de Eddie Cochran), arranjada pelo maestro Rogério Duprat.

sábado, 20 de maio de 2017

Agnaldo Timóteo - Surge Um Astro (1965)

01. Agnaldo Timóteo - Siga em Paz (2:29)
02. Agnaldo Timóteo - A casa de Irene (3:05)
03. Agnaldo Timóteo - O principio e o fim (3:33)
04. Agnaldo Timóteo - É tão triste Veneza (2:59)
05. Agnaldo Timóteo - Se choras , Se ris (2:49)
06. Agnaldo Timóteo - começamos o Amor (2:19)
07. Agnaldo Timóteo - Mamãe (3:11)
08. Agnaldo Timóteo - A casa do sol nascente (3:10)
09. Agnaldo Timóteo - Em busca do Amor (2:23)
10. Agnaldo Timóteo - Eu que não vivo sem voce (2:57)
11. Agnaldo Timóteo - Não mereço voce (2:53)
12. Agnaldo Timóteo - Amor perdoa-me (2:54)
13. Agnaldo Timóteo - Último telefonema (2:51)
14. Agnaldo Timóteo - Não te amo mais (2:55)
15. Agnaldo Timóteo - Ontem (2:25)
16. Agnaldo Timóteo - Frio de neve (3:10)
17. Agnaldo Timóteo - Michele (2:08)
18. Agnaldo Timóteo - A Praia (3:29)
19. Agnaldo Timóteo - Eu te darei bem mais (3:00)
20. Agnaldo Timóteo - Aline (2:29)
21. Agnaldo Timóteo - Furacão (2:28)
22. Agnaldo Timóteo - Eu amo (2:30)
23. Agnaldo Timóteo - Cai a neve (2:49)
24. Agnaldo Timóteo - Como sinfonia (2:45).

Agnaldo Timóteo
16/10/1936 Caratinga, MG

BIOGRAFIA
Começou cantando em circos no interior de Minas Gerais. Após vários anos cantando sem grande repercussão, por volta de 1960, foi ouvido, num programa de rádio, em Belo Horizonte, por Anísio Silva, que estava no auge de sua carreira. Anísio o apresentou a seu empresário, Kléber Lisboa, que o aconselhou a ir ao Rio de Janeiro cantar no programa do César de Alencar, sucesso absoluto de audiência na época. Em 1960 mudou-se para o Rio de Janeiro. Sua carreira artística começou realmente a se concretizar quando foi levado por Jair de Taumaturgo para se apresentar no programa "Hoje é dia de rock". Em 1964 gravou seu primeiro disco, um 78 rpm pelo selo Caravelle, interpretando o samba canção "Sábado no morro", de Mário Russo e Sebastião Nunes e o rock balada "Cruel solidão", de Renato Gaetani. Em 1965 gravou em LP a faixa "A casa do sol nascente", de Alan Price, versão de Fred Jorge, destacando-se, desde então, como cantor popular romântico, com privilegiada voz e uma extensa discografia.

Agnaldo Rayol - Somente Boleros (1965)

01 - Quando o amor te chama                                
02 - Adiante                                               
03 - Caminho do não sei onde                               
04 - De joelhos                                            
05 - Reza                                                  
06 - Acorrentados                                          
07 - Mente-me                                              
08 - Rival                                                 
09 - De ti não quero nada                                  
10 - A noiva                                               
11 - Coração de aço                                        
12 - Deixe pra mim a culpa.

Agnaldo Rayol
Agnaldo Coniglio Rayol
 3/5/1938 Rio de Janeiro, RJ

BIOGRAFIA
Com possante voz, ao estilo dos grandes cantores tradicionais, como Carlos Galhardo, iniciou a carreira na Rádio Nacional,em 1946, aos oito anos de idade, onde se apresentou no programa de Renato Murce, "Papel carbono". Pouco depois, foi com a família para o Nordeste, residindo em Natal(RN). Neste período atuou como ator de rádio e cantor na Emissora Natalense, na Rádio cearense Araripe e na Rádio Poti. Em 1951, retornou ao Rio de Janeiro, onde participou do filme "Maior que o ódio", de José Carlos Burle. Em seguida voltou a Natal em excursão com Leny Eversong. Em 1954, em Natal, fez parte do Trio Puracy com o qual gravou um disco pela Rozenblit. Em 1956 foi contratado pela Rádio Tupi, no Rio de Janeiro. Em 1958, gravou seu primeiro disco de 78 rpm pela Copacabana, com o samba "Prece", de Osvaldo Gogliano 'Vadico', e o samba-canção "Se todos fossem iguais a você", de Tom Jobim e Vinícius de Morais. Neste ano ainda mais dois discos 78 rpm foram lançados pela mesma gravadora, contando um deles com "Serenata do adeus", de Vinícius de Moraes. Nos anos seguintes mais uma série de discos deste tipo foi lançada, contendo músicas em diversos estilos: fox, slow rock, samba, bolero, marcha-rancho e canções de Natal, entre outros. Em 1961, dividiu seu disco com Ted Moreno, cantando no lado B "Eu não tenho para onde ir", balada de Édson Borges.

Adriana - Antologia

01.Adriana - Alô meu bem, eu voltei (Alone again)
02.Adriana - As flores do jardim da nossa casa
03.Adriana - Justo nesta noite
04.Adriana - Anjo
05.Adriana - Dom de amar
06.Adriana - Deixa pra lá
07.Adriana - O amor que existe em mim (We´re all alone)
08.Adriana - Deixe estar como está
09.Adriana - Se o metro passasse aqui
10.Adriana - Contigo
11.Adriana - Volta pra mim
12.Adriana - Deixem-me viver
13.Adriana - Aposto
14.Adriana - Que bom que existe o amor (Anonimo veneziano)
15.Adriana - Dia D
16.Adriana & Wanderley Cardoso - Eu e você
17.Adriana - Serrote
18.Adriana - Sinto muito
19.Adriana - Mamãe cê viu
20.Adriana - Céu de abril
21.Adriana - O problema é seu
22.Adriana - Oração a Santa Edwiges
23.Adriana - Vesti azul (ao violão e na intimidade)
24.O que me importa (ao violão e na intimidade)
25.Adriana - O cara (ao violão e na intimidade).

Adriana - Cantora da Jovem Guarda
BIOGRAFIA
Assim como suas filhas, as gêmeas Natanna e Tuanny (da Nova Turma do Balão Mágico), a cantora Adriana também começou a cantar muito jovem. Com apenas 13 anos, emplacou seu primeiro sucesso "Vesti Azul", em 1969, que já havia sido gravada por Wilson Simonal. Mas foi a versão cantada pela adolescente loirinha e tímida que estourou, fazendo Adriana vender 380 mil cópias. A mãe, vedete de teatro de revista, não queria saber da filha cantando nos palcos ao lado dos artistas da Pilantragem, movimento que veio logo após a Jovem Guarda. Mas Adriana, que levou a nota máxima, cinco, do jurado mais temido da época, José Fernandes, só tinha uma certeza: gostava de cantar e, apesar da timidez, seguiu em frente com a carreira.