sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Carlos Cézar - Grandes Sucessos

01. Triunfamos
02. Lágrimas D'Alma
03. Mar E Céu
04. Sejas Bem Feliz
05. Sr. Advogado
06. A Última Taça
07. Solidão De Amor
08. Ela Foi Embora
09. Alma Orgulhosa
10. Que Será
11. Aos Pés Do Altar
12. Anjo Bom
13. Eu Já Amei Demais
14. Somente Esta Noite
15. Nunca Me Chamaste Pelo Nome
16. Longe De Mim
17. Eu A Chuva
18. Lamento Ao Amor Que Não Vem.

Carlos Cézar (Cantor. Compositor. Instrumentista. Produtor)
São Paulo
2002 São Paulo

Com grande facilidade em compor, chegava a musicar os versos enquanto lia os mesmos. Iniciou a carreira artistica participando de festivais de música tanto de MPB, como de música sertaneja. Teve sua primeira composição gravada em 1978, "Pontapé na mesa", parceria com Tony Damito, lançada pela dupla Milani e Marcial, no LP "Tempestade de areia", da gravadora Phonodisc/Continental. Em 1979, começou a se consagrar quando, em parceria com o compositor José Fortuna, obteve os três primeiros lugares no II Festival de Música Sertaneja da TV Record de São Paulo, apresentado por Geraldo Meireles. Em 1980, oito composições suas foram gravadas, entre as quais, "A vaquinha", parceria com José Fortuna e Osvaldo Bettio, e "Bem me quer, mal me quer", com José Fortuna, pelo grupo Os Príncipes D'Oeste, em LP da gravadora Brasil Rural; "Amigo de fé", com José Fortuna, pela dupla Valderi e Mizael, em disco da etiqueta Uirapuru/CBS, e "Berrante de ouro", com José Fortuna, pela dupla Josemar e Joselito, pela RCA Camden, que logo se tornaria um grande sucesso, com várias regravações posteriores. Ainda nesse ano, a dupla Rony e Robson registrou, em disco do selo Rodeio/WEA, as músicas "Chuva na serra" e "Filho adotivo", parceria com José Fortuna, e "Cidade contra cidade", com José Fortuna e Valentino Guzzo. Também em 1980, compôs, com o Conde Dr. José Vicente de Azevedo, o hino "Viva a mãe de Deus e nossa (Hino oficial à Nossa Senhora Aparecida)", lançado no LP "Canto de louvor à Nossa Senhora Aparecida", executado pelo Maestro Hermínio Gimenez com a Orquestra de Câmara e Musicoral. O disco saiu pelo selo Premier/RGE e trouxe, ainda, interpretação de músicas como "Cordeiro de Deus", de Hermínio Gimenez, com acompanhamento de coro; "Confio em ti", de F. Butler, em dueto com Ramon Cácere; "Kyrie", de Hermínio Gimenez, juntamente com M. B. Algodoal, Ramon Cáceres e Juan Marcos Rossi; "A Anunciação", de Modesto Balbuena e Hermínio Gimenez, cantando juntamente com Ramon Cáceres e Maria do Carmo Oliveira, e "Canto de louvor à Nossa Senhora Aparecida", de Modesto Balbuena e Hermínio Gimenez, interpretado juntamente com Nelson Fuoco, Coro e Ramon Cáceres. 

Vicente Celestino - Discografia (2015)

Antônio Vicente Filipe Celestino (Rio de Janeiro, 12 de setembro de 1894 — São Paulo, 23 de agosto de 1968) nasceu no bairro de Santa Teresa, filho de italianos da Calábria.Teve 11 irmãos. Dos seis homens, cinco dedicaram-se ao canto e um ao teatro (Amadeu Celestino). Desde os 8 anos, por causa de sua origem humilde, Celestino teve de trabalhar como sapateiro, vendedor de peixe, jornaleiro e, já rapaz, chefe de seção numa indústria de calçados. Começou cantando para conhecidos e era fã de Enrico Caruso. Antes do teatro cantava muito em festas, serenatas e chopes-cantantes. Estreou profissionalmente cantando a valsa “Flor do Mal” no teatro São José e a gravou em sua estreia no disco. Com sua voz de tenor, montou em 1920 uma companhia de operetas, mas sem nunca deixar o carnavalesco de lado, emplacando vários sucessos. Com o êxito, formou companhias de revistas e operetas com atrizes-cantoras, primeiro com Laís Areda e depois com Carmen Dora.

As excursões pelo Brasil renderam-lhe muito dinheiro, e só fizeram aumentar sua popularidade. Nos anos 20, reinava absoluto como ídolo da canção. Na década de 30 começou a demonstrar seus dotes como compositor. Entre suas canções, o destaque é 'O Ébrio', transformado em filme por sua esposa, Gilda Abreu (1904 - 1979). Em 1935 foi contratado pela RCA Victor, praticamente sua única gravadora até falecer. Celestino teve uma das mais longas carreiras entre os cantores brasileiros e foi eleito "A voz orgulho do Brasil". Quando morreu, às vésperas dos 74 anos, no Hotel Normandie, em São Paulo, estava de saída para um show com Caetano Veloso e Gilberto Gil, na famosa gafieira "Pérola Negra", que seria gravado para um programa de TV. No total, gravou 137 discos com 265 músicas em 78 RPM, mais dez compactos e 31 LPs, nestes também incluídas reedições dos 78 RPM, segundo a Wikipedia. No repertório, algumas curiosidades, como os registros do Hino Nacional Brasileiro e do Hino à Bandeira em 1917. Confira:

001 - 1916 - Flor do mal
002 - 1916 - Os que sofrem
003 - 1916 - Perdão de um coração
004 - 1916 - Feiticeira
005 - 1916 - Sonhando
006 - 1916 - Salve
007 - 1917 - O capim mais mimoso
008 - 1917 - Urubu subiu (Dueto com Bahiano)
009 - 1917 - O seresteiro
010 - 1917 - Hino nacional
011 - 1917 - Hino à bandeira

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

José Roberto - Os Sucessos na Voz de... (1967)

Este é o primeiro LP de José Roberto, que foi gravado pelo Selo CBS em 1967, uma relíquia da Jovem Guarda. Com este LP, o então jovem cantor iniciava sua brilhante trajetória no mundo artístico-musical....

01. Coração de Papel (Sergio Reis)
02. Agora é Tarde (Marcos Roberto-Dor Edson)
03. Goiabão (Carlos Imperial-Eduardo Araujo)
04. Gatinha Manhosa (Erasmo Carlos-Roberto Carlos)
05. Estarei Sempre a Esperar (Antonio Marcos-Mario Lua)
06. Mãe-iê (Osvaldo Nunes-Celson de Castro)
07. Vem Quente, que Eu Estou Fervendo (Carlos Imperial-Eduardo Araujo)
08. Não Presto Mais, te Amo (Roberto Carlos)
09. Tijolinho (Wagner Benatti)
10. O Pão (Reginaldo Rossi-Namir Cury-Oracio Faustino)
11. Menina de Colegio (João de Barro)
12. Deixe o Meu Cabelo Em Paz (Osvaldo Nunes-Celso de Castro).

LEIA A BIOGRAFIA E DADOS ARTÍSTICOS DE JOSÉ ROBERTO NA POSTAGEM DO LP "JOSÉ ROBERTO E SEUS SUCESSOS - VOL. 1 (1968)", CLICANDO NESTE LINK:
http://carbonomusical2.blogspot.com.br/2017/08/jose-roberto-e-seus-sucessos-vol01-1968.html

terça-feira, 14 de novembro de 2017

The Fevers - A Juventude Manda (1967) / Vol.2

The Fevers - A Juventude Manda (1967 / Vol. 02) 

1. Só vou gostar de quem gosta de mim
2. Só eu e você
3. Meia-volta, volver!
4. Felizes de novo 
5. Você fala demais 
6. Hi-lili, hi-lo 
7. Music to watch girls by 
8. O telegrama 
9. Last train to Clarksville 
10. Aquela garota linda 
11. Gatinha manhosa 
12. Minha adoração 
13. Prova de fogo 
14. Coisinha Estúpida.

CONFIRA TODA A BIOGRAFIA E DADOS ARTÍSTICOS DOS THE FEVERS, POSTADOS NO 1° VOLUME DO ÁLBUM "A JUVENTUDE MANDA...1966):
https://carbonomusical2.blogspot.com.br/2017/10/the-fevers-juventude-manda-1966.html

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Wilson Simonal - Tem algo mais (1963)

1. Tudo de você 0:00 (Paulo Sergio Valle, Marcos Valle)
2. Amanhecendo 2:26 (Luiz Fernando Freire, Roberto Menescal)
3. Telefone 4:33 (Roberto Menescal, Ronaldo Bôscoli)
4. Saudade 6:48 (Silvio César)
5. Samba cromático 8:55 (Carlos Cruz, Jair Amorim)
6. Menina Flor 11:13 (Maria Helena Toledo, Luiz Bonfá)
7. Lágrima Flor 13:29 (Billy Blanco)
8. Balanço Zona Sul 16:05 (Tito Madi)
9. Menino triste 18:38 (Gracindo Jr., Rildo Hora)
10. Meu comportamento 21:05 (Chico Feitosa, Marcos de Vasconcellos)
11. Samba é verbo 23:23 (Édson Menezes, Alberto Paz)
12. Manhã no posto seis 25:49 (Armando Cavalcanti).

Este raríssimo LP foi gravado pelo grande Wilson Simonal, no ano de 1963, pela gravadora Odeon, com o título "Tem Algo Mais".

CLIQUE NO LINK ABAIXO, E LEIA BIOGRAFIA E DADOS ARTÍSTICOS DO GRANDE ASTRO, POSTADOS NO ÁLBUM COM O TÍTULO "S'IMBORA":
https://carbonomusical2.blogspot.com.br/2017/08/wilson-simonal-simbora-1965.html

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Vanusa (1968)

Primeiro LP de Vanusa - 1968 RCA Victor.
1- Mundo colorido
2- Eu não quis Magoar voce ...
3- Perdoa
4- Aonde estás
5- Eu sonhei o meu sonho mais lindo
6- Apaixonada
7- Negro
8- Mensagem
9- Pra nunca mais chorar
10- Pode ir embora
11- Só você 
12- Cupido me acertou.

Vanusa (Cantora. Compositora) 
Vanusa Santos Flores
22/9/1947 Cruzeiro, SP 

Apesar de nascida no Estado de São Paulo, foi criada nas cidades mineiras de Uberaba e Frutal. Aprendeu violão muito jovem e com 16 anos passou a atuar como cantora do conjunto de rock-baile Golden Lions. Numa de suas apresentações foi ouvida por Sidney Carvalho, então na agência de propaganda Prosperi, Magaldi & Maia, que a convidou para ir a São Paulo. Foi casada com o cantor Antônio Marcos, com o qual teve uma filha. E também com o ator e diretor de tevê Augusto César Vanuci, com quem teve outro filho.

Iniciou a carreira em 1966, nos últimos tempos da Jovem Guarda, apresentando-se na TV Excelsior, concorrente da TV Record, que apresentava o programa Jovem Guarda, chegando a participar do famoso programa vesperal, apenas em suas duas últimas edições. Em 1966, estreou na televisão apresentando-se no programa de Eduardo Araújo, o Bom, na extinta TV Excelsior de São Paulo. Ainda no mesmo ano, foi contratada pela RCA Victor e fez sucesso com a canção "Pra nunca mais chorar", de Eduardo Araújo e Carlos Imperial. Foi justamente esse suceso que a introduziu no ambiente do programa da Record. Logo depois, passou a atuar com Renato Aragão e Wanderley Cardoso no programa Adoráveis Trapalhões, da TV Record de São Paulo. 

Em 1968, gravou seu primeiro LP, na RCA Victor, no qual estreou também como compositora, com as músicas "Mundo colorido" e "Perdoa", além de "Eu não quis magoar você", esta em parceria com David Miranda. Nos anos seguintes, atuou em diversos festivais no Brasil e no exterior. Em 1971, participou do VI FIC, da Rede Globo, com "Namorada", que fez grande sucesso em parceria com o seu então marido Antônio Marcos. Em 1973, lançou LP pela Continental, trazendo seu maior sucesso, a música "Manhãs de setembro", parceria com Mário Campanha. Em 1974, ganhou o prêmio de revelação feminina no Festival de Piriapolis, realizado no Uruguai. No ano seguinte lançou o LP "Amigos novos e antigos", no qual gravou três composições de sua autoria, "Rotina", com Mário Campanha, "Espelho", com Sérgio Sá e "Vinho rosé da rainha sem rei", com Gabino Correia. Esse disco estourou com a faixa "Paralelas", composição de Belchior, uma das canções que marcaram a carreira da cantora.

sábado, 4 de novembro de 2017

Waldir Azevedo - Um Cavaquinho Acontece (1960)

01 – Delicado (Waldir Azevedo)
02 – Contando Tempo (Waldir Azevedo)
03 – Pedacinhos do Céu (Waldir Azevedo)
04 – Carioquinha (Waldir Azevedo)
05 – Sonhos de Criança (Waldir Azevedo)
06 – Na Baixa do Sapateiro (Ary Barroso) 
07 – Brasileirinho (Waldir Azevedo) 
08 – Catete (Waldir Azevedo) 
09 – Meu Tempo de Criança (Waldir Azevedo) 
10 – Vê Se Gostas (Waldir Azevedo) 
11 – Queira-me Bem (Waldir Azevedo) 
12 – Amigos do Samba (Waldir Azevedo).

Waldir Azevedo (
Compositor. Instrumentista).
 27/1/1923 Rio de Janeiro, RJ 
 20/9/1980 São Paulo, SP

Na infância, passada no bairro do Engenho Novo, costumava apanhar passarinhos que depois vendia. Foi assim que conseguiu dinheiro para comprar seu primeiro instrumento, uma flauta, quando tinha sete anos de idade. Pouco depois, trocou a flauta por um bandolim e começou a se reunir com amigos para tocar música, aos sábados. Do bandolim foi para o cavaquinho, instrumento com o qual se tornaria conhecido nacionalmente anos mais tarde. 

Na década de 1930, quando o violão elétrico entrou na moda, abandonou o cavaquinho por algum tempo. Já que a flauta havia sido seu primeiro instrumento, não é de se estranhar que sua primeira apresentação em público tenha sido exatamente como flautista. Aconteceu no Carnaval de 1933, quando tocou "Trem blindado", de João de Barro, no Jardim do Meyer. Sonhava ser aviador, mas como sofria de problemas cardíacos pôs de lado os planos de aviação e conseguiu um emprego na Light, casando-se em 1945. Até meados da década de 1940, a música era para ele uma atividade de amador.

Iniciou a carreira artística em 1940 quando montou um conjunto regional e passou a se apresentar em diversos programas de calouros. Em 1942,  foi vencedor de dois concursos de calouros, um na Rádio Cruzeiro do Sul e outro na Rádio Guanabara. Na ocasião, recebeu nota máxima pela interpretação do choro "Camburá", de Pascoal de Barros ao violão. Foi contratado em seguida pela Rádio Guanabara. Em 1943, passou a atuar profissionalmente no conjunto regional de César Moreno. Logo depois do casamento, ainda durante a lua-de-mel em Miguel Pereira (RJ), em 1945, que soube de uma vaga para cavaquinista no regional de Dilermando Reis, em um programa da Rádio Clube do Brasil. Acabou sendo aceito por Dilermando que lhe passou a liderança do conjunto, dois anos mais tarde. No final da década de 1940, compôs o choro "Brasileirinho", quase que por acaso, que seria gravado com bastante sucesso tanto por ele quanto por Ademilde Fonseca.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...